Publicidade do Site
Publicidade do Site

Maranhão cresceu entre 2002 e 2015 uma média de 4,5% ao ano

O Imparcial – Segundo um estudo realizado pelo Banco do Nordeste, o estado do Maranhão é o segundo estado com o maior crescimento anual (%4,5), ficando atrás somente do Piauí, com 4,8%. Sendo assim, o desenvolvimento destes dois estados juntamente com Paraíba (4,1%) e Ceará (3,5%), são os destaques no cenário nordestino ficando acima da média do Nordeste (3,3% ao
Redação
03 jan 2018
Compartilhe
WhatsApp WhatsApp WhatsApp
Comente

Vertedouro da usina hidrelétrica de Estreito, no Maranhão.

O Imparcial – Segundo um estudo realizado pelo Banco do Nordeste, o estado do Maranhão é o segundo estado com o maior crescimento anual (%4,5), ficando atrás somente do Piauí, com 4,8%. Sendo assim, o desenvolvimento destes dois estados juntamente com Paraíba (4,1%) e Ceará (3,5%), são os destaques no cenário nordestino ficando acima da média do Nordeste (3,3% ao ano) e do Brasil (2,9%).

Com crescimento de 3,3% ao ano de 2002 a 2015, o Nordeste, juntamente com Norte, que teve 4,3% de incremento e Centro-Oeste, com 4,1%, foram as regiões que mais aumentaram suas participações no Produto Interno Bruto (PIB). Sudeste e Sul também cresceram, 2,6% e 2,4%, respectivamente, o que levou a média nacional para 2,9% nos anos abordados na pesquisa.A Bahia continua com maior participação do Nordeste no PIB brasileiro, com 4,1%.

Variação

No período da coleta de dados, a maior variação nordestina ficou com o Ceará, que passou de 1,9% em 2002 para 2,2% em 2015. Setores da Indústria, elevados pela produção de eletricidade e gás, água e esgoto, atividades de gestão de resíduos e contaminação; Serviços com atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados e Informação, comunicação e comércio intensificaram a economia do estado.

As informações são do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), área de pesquisas do Banco do Nordeste, com base nos dados disponibilizados pela pesquisa “Contas Regionais do Brasil 2002-2015”, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, IBGE.

 

Deixe o seu comentário!

Rádio Mais FM