Publicidade do Site

SSP investiga conduta de policial suspeito de ter atirado em jovem no Maranhão

G1 Maranhão – Secretaria de Segurança Pública (SSP) está investigando a conduta de um policial militar suspeito de ter atirado em um jovem em São Luís. A agressão teria sido porque o rapaz reagiu ao ataque de um cachorro na rua e o policial seria o dono do animal. O jovem de 19 anos, que prefere
Redação
05 jan 2018
Compartilhe
WhatsApp WhatsApp WhatsApp
Comente

G1 Maranhão – Secretaria de Segurança Pública (SSP) está investigando a conduta de um policial militar suspeito de ter atirado em um jovem em São Luís. A agressão teria sido porque o rapaz reagiu ao ataque de um cachorro na rua e o policial seria o dono do animal.

O jovem de 19 anos, que prefere não se identificar, conta que foram os momentos de maior medo que já passou na vida. “Quando eu olhei ele colocando a algema me emocionei, eu chorei porque isso nunca tinha acontecido comigo e pensei que isso nunca ia acontecer”, revelou.

Jovem de 19 anos conta que foram os momentos de maior medo que já passou na vida

O caso aconteceu no bairro João de Deus, na capital, no último dia 25 de dezembro. Ele disse que voltava para casa quando um cachorro avançou e ele reagiu. Logo depois o dono do animal, que é policial militar, atirou no jovem. “O proprietário dele chegou e apontou a arma para mim. Eu me rendi e ele deu o primeiro disparo, acertou o meu relógio. Aí eu virei dei as costas, aí ele acertou a minha mão e depois acertou a coxa. E aí foi quando caí no chão. Foi quando meu colega veio lá de cima correndo porque ele falou que ia me dar o terceiro tiro e eu ainda falei para ele: ‘O senhor vai me atirar?’ Aí ele atirou.”

Segundo o advogado da família, Fabrizio Couto Correa, o estudante foi levado para o Hospital Municipal Clementino Moura (Socorrão 2) e lá ele ficou algemado porque o policial autuou o rapaz por tentativa de assalto. Ele chegou a passar uma noite na enfermaria da Penitenciária de Pedrinhas, de acordo com o advogado.

“E foi autuado em flagrante pelo mesmo autor dos disparos sob alegação de ter sido vítima de assalto, o que na realidade não condiz com toda a verdade. Tanto é que já foi instaurado um procedimento na Corregedoria da Polícia Militar contra o indivíduo de nome de Tiago Paz, se não me engano, e ele está respondendo procedimento na polícia, na Corregedoria, e vai também responder os procedimentos que iremos impetrar ainda”, relatou Fabrizio Couto Correa.

Após ter levado o tiro o jovem foi levado para o Hospital Municipal Clementino Moura

A mãe do jovem, Barbara Cristina, acompanhou o filho durante o atendimento no hospital e revela que nunca imaginou passar por isso. Ela espera por justiça. “Eu quero justiça. Eu quero que ele pague o que ele fez com o meu filho porque isso não se faz”

O pai do jovem, Raimundo Gaspar, reuniu cerca de 150 assinaturas dos vizinhos em apoio á família. Ele diz que só deseja ver o nome do filho limpo após o episódio. “Eu quero que limpe o nome do meu filho da Justiça porque isso vai ficar muito complicado para ele. Ele tem vergonha, medo de sair na rua com medo de represálias por conta do policial”.

O caso chegou à Secretaria de Segurança Pública. Em nota, a Secretaria disse que a Polícia Militar do Maranhão (PM-MA) está levantando informações sobre a ocorrência e que vai tomar as providências cabíveis e punição prevista no regimento interno da corporação.

A família do estudante procurou a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil no Maranhão (OAB-MA). Segundo o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB no Maranhão, Rafael Silva, a família do rapaz será atendida pelo Programa de Proteção às Vítimas e Testemunhas, onde vai haver também a atuação da Secretaria de Segurança Pública para apurar tudo o que aconteceu. “Nós encaminhamos para o Programa Especial de Proteção a Vítimas e Testemunhas para que seja feito uma análise de risco que é uma especialidade do Provita”, finalizou.

A Secretaria de Segurança disse ainda que o PM agiu em legítima defesa, já que o jovem teria invadido a casa dele com uma barra de ferro e que o policial não será afastado das funções.

 

 

Deixe o seu comentário!

Rádio Mais FM